Translate The Blog - Click Here / Traduza o Blog - Clique Aqui

sábado, 19 de março de 2011

Transparência. Valor Intrínseco do Ser.






Por Maurício A Costa*

"Rever posições é algo que exige mente aberta ou um 'espírito livre', pois impõe ir além das confortáveis fronteiras do que já é conhecido... Há momentos que será necessário enfrentar trilhas solitárias e construir o próprio caminho" (Mauricio A Costa, em ‘O Mentor Virtual’ – Pág. 95 – Ed. Komedi – Campinas-SP – 2008).
_________________________


Alguns dias atrás, fui convidado a fazer uma palestra, para um grupo de fantásticas mulheres, que se reúnem periodicamente com o intuito de construir juntas, invisíveis pontes que as conduzam a uma melhor compreensão do todo que as cerca; e o tema, por estarmos no mês que traz o dia internacional da mulher, não poderia ser outro: 'A Minha Visão da Mulher'

Após um breve resumo sobre a evolução do ser humano ao longo dos séculos, analisando a formação biológica do homem e da mulher, e o papel de cada um dentro do ambiente social que de maneira natural foi sendo criado pelas diversas civilizações, me detive em um ponto que aos poucos vem se tornando o foco das minhas reflexões sobre a essência humana, a sua alma.

Na minha percepção, a alma humana é a tela onde vai sendo gravado, ao longo de gerações, tudo aquilo que é captado pelos sentidos. Uma infinidade de sons e imagens, a gerar as mais diversas sensações, produzindo extraordinárias matizes para criar uma marca única, impenetrável e indelével: A nossa marca pessoal. Essa tela, conjunto de matéria e energia, carrega consigo a beleza inefável do que convencionamos chamar de divino, sem qualquer tom sobrenatural, mitológico ou fantasmagórico; apenas a grandiosidade de algo que viajou através do próprio tempo, com a dimensão do eterno, a ocupar o espaço de um corpo, formado por milhões de células que interagem entre si sob efeitos da força ou energia que contém essa alma, e que convencionamos chamar de amor.

A alma, de acordo com esta minha visão, é algo sem vontade própria, apenas flui no tempo, transportando um infinidade de informações com a energia que lhe é própria. Quando acessada, torna-se visivelmente transparente pois não está submetida a qualquer tipo de parâmetro limitador. Seu único propósito é aquilo que lhe é intrínseco, viajar pela eternidade, ou numa linguagem mais simples, perpetuar-se no tempo em busca de sua completude, ou perfeição.

Já a mente, é conhecida como o conjunto de células que comanda o sistema de alerta e defesa do corpo. Um emaranhado de terminais nervosos, a processar e transmitir incessantemente por meio de descargas eletro-química milhões de informações recebidas do ambiente externo, visando garantir a subsistência daquele organismo que coordena. Até aqui, nada de novo, dirá o leitor. Todo esse complexo de informações interagindo ininterruptamente, a gerar emoções e reações de toda ordem para que determinado 'ser' sobreviva em um ambiente inóspito e por caminhos desconhecidos a maior parte do tempo, na grande viagem de um breve tempo do lado de fora do ventre de sua verdadeira mãe, a terra, e para a qual retornará sem alternativa.

É essa mente, que em nome da sobrevivência, engendra o tempo inteiro todo tipo de comportamento defensivo ou ofensivo sempre que pressente qualquer forma de ameaça que eventualmente possa colocar em risco o corpo que comanda. Por conta disso, está invariavelmente conspirando de forma coerente ou maquiavélica por meio das mais inusitadas atitudes. Ora criando paradigmas ou restrições, ora manipulando situações e outros seres à sua volta. Nessa coreografia desesperada, busca garantir o maior tempo possível de existência desse 'ser' cuja tomada de consciência de si mesmo custou-lhe o temor da morte, e por consequência, toda ansiedade, que deriva desse medo.

Lembrando uma mensagem do Mentor Virtual: "Alguns humanos se comportam como animais comuns; outros, todavia, decidem optar por atitudes mais elaboradas, que envolvem decisões conscientes. Nisso se resume a evolução humana. A realização pessoal é algo abstrato, que transcende meras reações instintivas ou animais. Ater-se exclusivamente a coisas concretas e palpáveis nada difere o ser humano em relação a outros seres vivos. O extraordinário consiste em construir algo que atravesse o tempo e o espaço convencionais". (O Mentor Virtual - Pág. 33 - Editora Komedi - Campinas-SP - 2008).

Ao longo dos séculos, o homem, por questões biológicas desenvolveu com muita propriedade a principal característica animal de todo macho que seria cobrir o maior número de fêmeas possível para garantir por meio da reprodução sexuada a continuidade da espécie. Para tanto, teve que 'lutar' muitas vezes sanguinariamente, para conquistar a fêmea, ou as fêmeas que farejasse. Essa necessidade de lutar o fez desenvolver uma mente aguçada, agressiva e dominadora. Com o tempo, o campo de batalha estendeu seus limites e o fez um guerreiro por natureza em busca de poder para garantir dominação. Nesse campo, a transparência da alma em nada ajudaria. Pelo contrário, só iria expor vulnerabilidades, reduzindo sua competitividade. Assim, para o homem, as prioridades para sua sobrevivência se tornaram apenas corpo e mente.

A mulher, por sua vez, também por questões biológicas inequívocas, necessitava atrair o macho que a fertilizasse para cumprir seu papel de alojar no ventre o embrião da própria vida e partilhar de forma decisiva da continuidade da espécie humana. Esse processo de atração, pedia algo mais que a força física ou a 'maquinação' mental. Exigia estímulos sensoriais mais refinados, para além dos sentidos comuns. Algo que a só a alma em sua dimensão superior poderia oferecer, a insuperável energia interior que convencionou-se chamar de amor, exteriorizada sob a forma de sensualidade, delicadeza, e acolhimento, para produzir desejo e atração; tal qual a flor de qualquer espécie vegetal, que se abre em cores deslumbrantes e odores surpreendentes para ser polinizada por pássaros ou insetos que lhe permitam juntar os elementos que produzem o sêmen da própria vida, num espetáculo de rara beleza. A luta da fêmea da espécie humana foi então, ao longo de sua evolução, uma batalha onde suas armas tinham origem no corpo e na alma. A sensibilidade e a transparência formavam sua característica mais marcante. enquanto a mente atuava apenas como importante coadjuvante, uma  vez que a necessidade de cuidar da prole exigiriam uma constante doação de si mesma. A preparação dos filhotes para o mundo, que implicara inicialmente em transferir parte do seu corpo, exige agora um pedaço de sua própria alma. Corpo e alma tornam-se assim, a essência dessa mulher. E assim se mantiveram por milhares de anos.

Nos últimos tempos, porém, com o advento da tecnologia, resultante da universalização do conhecimento e da informação, a modernidade produziu  mudanças drásticas no comportamento humano. A sobrevivência, passou gradativamente a depender menos da força física, e o trabalho pesado a ser substituído pelas máquinas, exigindo uma atividade intelectual cada vez mais intensa; com um enfoque especial nos temas relacionados à cultura e às artes, que ganham a cada dia importância exponencial. E neste sentido, o ato de criação intelectual foi tornando imprescindível a sagacidade da mente associada à sensibilidade da alma. Assim, no momento em que a força física começa a deixar de ser o centro das atenções e entra em cena a inteligência associada à sensibilidade da alma, as mulheres passaram a ocupar mais espaço, expandindo seus horizontes a partir do uso mais consistente de seu poder mental latente, adormecido durante séculos.

Nesse momento, ao despertar esse poder encoberto por anos, a mulher surge como inesperada competidora no mercado de trabalho diante do homem, e com enorme potencial para superá-lo, caso ele não aprenda com agilidade a compreender sua própria alma para extrair dela a sensibilidade necessária à percepção do mundo por um ângulo bem maior do que aquele a que estava acostumado. Para tanto, esse guerreiro condicionado pela força física associada a  maquinações da mente, precisará substituir rapidamente sua habilidade de mentir, trapacear, iludir, chantagear, falsear, ou manipular, por valores essenciais que a alma carrega. O mundo de hoje está a exigir transparência, característica natural da alma; valor intrínseco do próprio ser; coisa que a mulher compreende e domina com extrema sutileza. 

Os dias da ilusória superioridade masculina estão contados. Não há mais espaço para a falsidade do jogo duplo ou para o exercício da força para a manipulação. Aos poucos a transparência da alma humana vai revelando os maquiavélicos subterfúgios que podem ostentar os melhores propósitos, mas escondem suas verdadeiras intenções. Por isso, convém refletir que tanto homens como mulheres necessitam adaptarem-se a esse novo modelo. Neste sentido, é recomendável que o homem busque compreender melhor sua própria alma, e que a mulher não enverede pelos tortuosos labirintos mentais criados pela mente do homem, desprezando o que de mais sublime carrega, a sua indiscutível sensibilidade. Endosso, entretanto, uma citação da escritora Zulma Reyo, em seu livro 'Alquimia Interior': "O amor é a melhor proteção. Mas, exatamente por isso, você não pode ser tão complacente e ingênuo a ponto de crer que ser indiscriminadamente vulnerável e aberto a todo mundo e a todas as coisas signifique amor. O amor é também a ação correta e a vigilância perspicaz. O amor envolve consciência e precaução". (Pág. 178 - Editora Ground - Rio de Janeiro - 1992). 

A força de uma marca pessoal é reflexo dos valores que carrega a própria alma. É ela que revela o potencial humano nessa incrível aventura que é viver. Quanto mais formos capazes de revelar essa marca com transparência maiores serão as chances de construirmos para ela a credibilidade necessária para que se torne uma marca forte.

Confesso, que como ser humano, esse tem sido meu maior desafio ao longo dos últimos anos. Estou me empenhando para ser o mais transparente possível, ainda que, consciente do preço a pagar, por saber que muitos de nós ainda não estamos prontos para lidar com isso. Mas, como diz 'O Mentor Virtual': "A maior de todas as batalhas para concretizar seus sonhos será contra os inimigos que você carrega dentro de si mesmo. Identifique-os e saberá como lidar com eles. Ignore-os e será um escravo para sempre". (O Mentor Virtual - Pág. 134-Editora Komedi - Campinas - SP - 2008) 

________________________




*Mauricio A Costa, É estrategista para projetos de ‘alavancagem’ de receitas e rentabilidade. Sua experiência internacional está focada em assuntos ligados ao pensamento estratégico voltado à inovação, criação de valor agregado, e fortalecimento de marcas - comercial ou corporativa. Está disponível, para atuar como Executivo, Assessor, Sócio, ou Membro do Conselho de Empresas sérias, comprometidas com a verdade.

É o idealizador do Projeto Mentor Virtual; organização comprometida com o despertar da consciência humana, a valorização da vida e o apoio à construção da marca pessoal. Suas palestras, seminários e workshop - presenciais, 'in-company', ou por vídeo conferência - estão disponíveis, para grupos, associações, universidades, escolas, ou empresas em qualquer região ou país.

Contatos:
mauriciocosta@uol.com.br




11 comentários:

  1. Helena Mendesmarço 19, 2011

    Magnífico texto. De uma sutileza e transparência incrível.

    ResponderExcluir
  2. Espírito Livre : fala-se mais o quê? Nào é preciso, ainda que se pague o preço por tal natureza e testemunho.

    ResponderExcluir
  3. Maurício adorei seu Blog,te confesso que não consigo me livrar desses inimigos que estão dentro de mim... pois talvez eu os saiba, mas não quero aceitar.Seu trabalho é muito significativo e extraodinário...beijos
    Margarete

    ResponderExcluir
  4. O nosso maior bem está dentro de nós mesmos!Quiçá um dia todos nós saibamos disso e melhor ainda, o encontremos!E aí sim, apesar de tudo, seremos plenos! Adorei o texto!Andréa

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo artigo, só discordo de sua fala e de Zulma Reyo no que disséram sobre o amor...prefiro a palavra'cumplicidade'...amor é magia,cumplicidade é realidade....Precisamos da realidade a nos proteger!!!
    Anie.

    ResponderExcluir
  6. Fantástico Maurício!
    Parabéns pelo artigo,ainda mais falando das mulheres de ontem e de hoje.O mundo realmente mudou muito.
    Adorei!!
    Abraços,
    Denise.

    ResponderExcluir
  7. Querido Maurício,

    Estamos realmente nos adaptando, homens e mulheres, dentro de um planeta onde a "evolução" pode ser o preço mais alto para alcançarmos nossa real essência, a única que pode nos salvar.
    _ O amor !

    Excelente postagem!
    bj

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Maurício.
    É sempre muito bom ler seus textos muito bem pautados!
    Abr.

    ResponderExcluir
  9. Viver e ser mulher hoje requer uma capacidade e esforço e suplantar tudo que de nós se espera, ou até mesmo de tudo que nós mesmas esperamos.
    Lutamos diariamente e arduamente a conquistar espaços em todos os segmentos, e ainda há um looongo caminho a percorrer e vejo com tristeza muitas sucumbirem a se tornarem personagens sem ânimo de ser esposa, mãe, profissional num mundo competitivo e árduo.
    Mas também percebo uma nova geração surgindo, de meninas aguerridas, de vontade própria, de quase uma obstinação em desbravar, conquistar e obter mais espaço na cultura, no campo profissional, onde for!
    O mundo inicia uma valorização de todas as forças que temos de nos desdobrarmos em "mil" afazares e dar conta de tudo.
    Somos mulheres de lutas e conquistas, de lágrimas e bravatas, de amor e comiseração....

    ResponderExcluir
  10. De Heinz Seidel (amigo da Cleusa)
    Brilhante! Gostaria de prestar um preito de admiração e de agradecimento por ter o autor nos apresentado tanto conhecimento, de forma tão didática e indiscutivelmente sábia.
    Possivelmente, para que aprendêssemos ainda mais dentro do contexto apresentado, deixou de abordar a caminhada da mulher sob um enfoque mais histórico e social. Como soi acontecer na progressão da humanidade, as evoluções acontecem de forma embricada, em todos os aspectos: biológicos, sociais, filosóficos, metafísicos.
    Essa reflexão reforçou-me isso.
    Agradeço à Cleusa por haver me indicado um BLog tão interessante e instrutivo!

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar aqui as marcas de sua passagem...
Seus comentários serão sempre bem vindos.