Translate The Blog - Click Here / Traduza o Blog - Clique Aqui

sábado, 8 de janeiro de 2011

Credibilidade - Valor Decisivo Para Construção de Uma Marca Forte



Por Maurício A Costa*





"A maior de todas as batalhas para concretizar seus sonhos será contra os inimigos que você carrega dentro de si mesmo. Identifique-os e saberá como lidar com eles. Ignore-os e será um escravo para sempre". ( ‘O Mentor Virtual’ - Pág. 134-Editora Komedi - Campinas-SP - 2008).

____________________________


Era uma vez uma empresa... Um empreendimento que tinha todos os ingredientes para alcançar o sucesso. Seus produtos eram apreciados e elogiados por todos; suas embalagens e marcas criavam boa impressão nos clientes e consumidores, por carregar o melhor da tecnologia e contar com uma equipe formada por um grupo de pessoas maravilhosas. Mesmo sendo uma organização de pequeno porte ela brilhava no mercado, chegando a causar preocupação em grandes concorrentes, por conta do estilo arrojado e determinado que imprimia em suas ações.

A história bem que poderia seguir nesse estilo de um conto de fada. Uma coisa, porém, não estava indo bem naquela empresa. Ela estava sendo dirigida por alguém sem controle emocional. Um jovem executivo extremamente ambicioso, cujo humor variava entre a rispidez de palavras autoritárias e até mesmo agressivas, em determinados momentos, e o excesso de intimidade em outros, a revelar falta de consistência na postura. Ora um feitor maquiavélico, outras vezes, revelando o cinismo que esconde a farsa, com o propósito de criar ilusória ideia de liderança.

Como 'advisor' daquela empresa, minha preocupação maior não era com mercado, produtos, ou estratégias de marketing, mas com a estruturação da equipe, ou mais especificamente com a construção e retenção de talentos, pois o sucesso de qualquer empreendimento nos dias atuais depende exclusivamente do quanto sua direção seja capaz de montar e manter um time competente, comprometido e extremamente motivado, para gerar os diferenciais que uma marca necessita a fim de encantar seus clientes e criar espaço numa guerra sem tréguas por fatias do mercado. Todavia, a rotação de pessoas nessa organização revelava claramente uma falta de estabilidade emocional na liderança. O entra e sai de gente não permitia que o aprendizado evoluísse permeando a empresa para que a cultura se consolidasse. Não precisa pensar muito para imaginar as turbulências que assolaram o empreendimento e as dificuldades enfrentadas por conta do ponto fraco na liderança, incapaz de construir uma equipe estável. 

A arrogância, presunção exacerbada de que se sabe, é quase sempre a arma utilizada por aquele que não está preparado para o desafio ou função, mas 'se acha'. Explícita ou disfarçada por trás de atitudes incoerentes e precipitadas, ela produz uma descrença e desmotivação generalizada não apenas no ambiente interno, mas também nos parceiros externos. Como ensinava o grande filósofo Platão, o homem sábio é aquele que tem consciência de suas limitações, isto é, ele sabe quando não sabe; tem perfeita noção de sua ignorância ou limitação, e age com base nesse padrão de consciência. Há ainda, um lado oculto por trás da arrogância que é a insegurança, resultante do fato de inconscientemente saber que se sabe pouco. Na junção dessas duas características, ignorância e insegurança, está, a meu ver, toda base do descontrole emocional que revela pelo nível de estresse, o despreparo de um líder, e consequentemente o provável destino da organização.

Tenho visto com frequência, muitas grandes empresas cometendo o mesmo equívoco. Entregando o comando de suas operações a executivos totalmente despreparados, e emocionalmente descontrolados; agindo sob efeito de impulsos, escondendo sua insegurança ou despreparo por trás dos mais arrogantes discursos e posturas. Decidem assustados sob o estresse que os consome, embora representem belos papéis sob holofotes ou shows pirotécnicos para disfarçar incompetência e mascarar resultados, que no longo prazo fatalmente o revelarão. 

Em vários artigos que escrevemos sob a construção de marcas fortes, falamos com frequência sobre a decisiva importância dos valores. São eles que formam a base segura tanto da marca pessoal, quanto da marca empresarial. Dentre esses valores nenhum é tão forte como a credibilidade;  reflexo de atitudes transparentes e autênticas. Portanto, me parece impossível pensar em longo prazo sem uma base confiável. A partir dessa premissa, concluímos que não se pode construir um empreendimento para o futuro cujos alicerces sejam estruturados sobre falsas posturas, de líderes, que embora possam demonstrar excelente capacitação técnica, podem estar despreparados para lidar com pessoas, o patrimônio mais importante de qualquer empresa, e principal ingrediente do tripé que define um projeto: gente, recursos, e idéias.  

Não importa, portanto, o tamanho do empreendimento, se uma pequena empresa, uma multinacional, ou até mesmo um país; o que define o sucesso é a competência, derivada do conhecimento, sustentado pelo controle emocional de sua liderança e demonstrado por atitudes que revelem humildade sem hipocrisia. Para tanto, é imprescindível identificar inimigos íntimos como a arrogância, a vaidade e o egoísmo que interferem na formação de um verdadeiro líder. Mais ainda, é decisivo afastar toda insegurança criada pelo despreparo para ter perfeita consciência do que sabe e do que não sabe, e com base nisso, cercar-se de gente preparada para suprir eventuais lacunas.

Sobre este tema, minha recomendação como estrategista, coach ou conselheiro, pode ser resumida em poucas palavras: não subestime o desafio, tampouco o superestime. Não finja saber quando por dentro está consciente de que não sabe. Isso só irá gerar estresse e angústia. O tempo é inexorável e irá revelar todas as suas fraquezas, por isso, o melhor caminho é preparar-se. Não se intimide com o aprendizado, muito menos com a quantidade de informações com as quais terá de lidar, a maior parte delas irá jogar fora, mas o essencial permanecerá. Não fique parado acreditando que os problemas se resolvem por si, enfrente-os com firmeza e determinação, sem fazer 'tipo'. Acredite em você mesmo, e acima de tudo trabalhe seu controle emocional. Identifique as causas para eventuais descontroles e atue com coragem para superá-los. Ser um líder não é ser um ator medíocre. Ser um líder é encontrar pessoas certas com as quais você se identifique; prepará-las com muito carinho e dedicação, e envolvê-las no desafio com motivação séria e honesta. O segredo para o sucesso pessoal ou empresarial sempre foi e continuará sendo ser apaixonado pelo que se faz, mas eu gostaria de  complementar isso, dizendo: Esse sucesso irá depender da forma como você for capaz de envolver e acima de tudo, valorizar aqueles que, à sua volta, são na verdade os que fazem a coisa acontecer. 

______________________________


"Que as nossas palavras sejam sempre de encorajamento. Nossos gestos, poderosas alavancas de apoio. Nosso abraço uma imensurável fonte de energia para cada ser humano ao nosso redor. Coisas simples que podem modificar o mundo a partir de nós mesmos" ('O Mentor Virtual II' - O Elo Invisível - Campinas-SP - 2011 - Em gestação).


_____________________________________________________






*Mauricio A Costa, É estrategista para projetos de ‘alavancagem’ de receitas e rentabilidade. Sua experiência internacional está focada em assuntos ligados ao pensamento estratégico voltado à inovação, criação de valor agregado, e fortalecimento de marcas - comercial ou corporativa. Está disponível, para atuar como Executivo, Assessor, Sócio, ou Membro do Conselho de Empresas sérias e comprometidas com a verdade e a transparência. 

É o idealizador do Projeto Mentor Virtual; organização comprometida com o despertar da consciência humana, a valorização da vida e o apoio à construção da marca pessoal. Suas palestras, seminários e workshop - presenciais, 'in-company', ou por vídeo conferência - estão disponíveis, para grupos, associações, universidades, escolas, ou empresas em qualquer região ou país.

Contatos: mauriciocosta@uol.com.br



9 comentários:

  1. Mauricio o que você escreve vale para qualquer empreendimento e também para gerir nossa vida pessoal. O que eu gosto é a forma como sintetiza e revela o que por vezes jogamos para baixo do tapete.Este texto me ajuda muito a simplificar e enfrentar os meus desafios profissionais diários.
    Obrigada! Bjos

    ResponderExcluir
  2. Lucia Hedlundjaneiro 08, 2011

    Li tudo e vi na minha frente meus ex chefes da CVRD. Trabalhei nessa empresa 17 anos e ia trabalhar todos os dias sem a menor vontade.
    Adoecia as vezes e, não tinha ou não via saída.
    Meus chefes eram autoritários e nunca tivemos incentivos, só cobrança daquilo que eles não iriam usar no dia seguinte, mas diziam que precisavam. Você que trabalhou em grandes empresas deve ter idéia do que eu passei na CVRD.
    Hoje ela é uma empresa privada e por isso as mordomias devem ter acabado. Eles faziam das secretárias suas empregadas até do lar: comprar presente para o aniversário de suas esposas, etc etc.Vexame total.
    Hoje moro na Suécia e aqui isso é inadimissível e até vergonhoso pedi a um funcionário para fazer uma ligação para casa deles.
    Falei um pouco do meu triste passado.
    Tenho certeza que, nos dias de hoje com a preocupação de qualidade total nas empresas, isso deve ter mudado.
    Fica bem Maurício.
    Bjs
    Lucia Hedlund

    ResponderExcluir
  3. CONSIDERO IMPORTANTÍSSIMA SUA ABORDAGEM SOBRE O EQUILÍBRIO EMOCIONAL DO LÍDER!!!ACIMA DE TUDO A INCONSTÂNCIA DE SUAS ATITUDES E EMOÇÕES,DIFICULTANDO A ADAPTAÇÃO DE SEUS SUBORDINADOS AOS SEU "MODO DE SER" E COM ISSO,ATRAPALHANDO BASTANTE NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE UMA EQUIPE DE TRABALHO!!HOJE JÁ SABEMOS QUE SOZINHOS NÃO SOMOS NADA!!!PARABÉNS PELA FORMA QUE VOCÊ COLOCOU O TEMA!UM ABRAÇO!MARISA GAZZI XAVIER

    ResponderExcluir
  4. DO RIO "VITRINA FACE-Quando cansados podemos parar por livre expontanea vontade sem preceito seguir caminhos nãosejam os nossos.Aqui não estamos a construir nada muito menos crescer aparecer.Foco nada simpático Joguinhos temos mais que fazer nem nos preocupar Liderença.Fazemos com respeito e amor resto vem por sí só.Dores,sofrimentos acharemos os caminhos.Abraço Mauricio.

    ResponderExcluir
  5. MAURÍCIO, TENHO CERTEZA DE QUE TENDO SEU LIVRO EM MINHAS MÃOS, VOU SENTIR-ME MAIS SEGURA AINDA...POIS HÁ ASSUNTOS PENDENTES QUE CERTAMENTE VOCÊ SANARIA...
    ACHO QUE AINDA CONVERSAREMOS MUITO...SOBRE O ASSUNTO...

    ADOREI CONHECER SEU ESPAÇO

    BEIJOS
    MARILIS

    ResponderExcluir
  6. sandra brunow freitasjaneiro 09, 2011

    Mauricio.
    Como sempre o que escreve são palavras sábias.
    Acredito em todas as suas colocações e fazem com que eu faça um balanço de vida e também uma garimpada nos acontecimentos/fatos/pessoas/... com que lido no meu cotidiano.
    Como acredito que nada é por acaso... adorei o texto e me senti mais arrojada e disposta a colocar em ação, nos valores que meus pais, me ensinaram.Agradecida e uma excelente semana.
    Obs.Parabéns pelo vídeo. Lindo !

    ResponderExcluir
  7. É sempre muito gratificante ler o que voce escreve.Gostei tanto que compartilhei!!Beijos

    ResponderExcluir
  8. Adorei a postagem ! Trabalhar nosso (des)controle emocional, que bela dica! Eu estou tentando. Tocastes num ponto chave: Insegurança que gera Arrogância, e o fizestes com maestria.Parabéns mais uma vez ! bjo

    ResponderExcluir
  9. Mauricio...
    É uma selva. Ou você é o caçador, ou será caçado. Infelizmente é assim que nossos jovens são preparados para o mercado de trabalho e muitas vezes, até para a vida , pelos próprios pais. Têm uma visão totalmente distorcida de valores. Enfrentar seus 'inimigos íntimos', reconhecê-los, siguinifica para eles um sinal de fraqueza diante da concorrência. Pobres 'moços'! Doces moços... Pagam o preço de suas arrogâncias - muitas vezes nem sabem por que - e só irão aprender com a maturidade. Muitos, nem com a maturidade. Continuam enganando a si próprios concientes de suas incapacidades.
    Abçs. carinhosos.

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar aqui as marcas de sua passagem...
Seus comentários serão sempre bem vindos.