Translate The Blog - Click Here / Traduza o Blog - Clique Aqui

sábado, 15 de janeiro de 2011

Consultor, Coach ou Mentor: Só os Escutam Quem Tem Sabedoria




Por Maurício A Costa*



Soren Kierkegaard

“Eu pedi a Deus que me com concedesse o zelo e a paciência necessários para realizar a tarefa que ele me designaria. Foi assim que me tornei autor” (Soren Kierkegaard, em ‘É Preciso Duvidar de Tudo’ – No Prefácio da Obra - Ed. Martins Fontes – 2003). 

________________________________________


Ainda muito jovem, me dei conta do quanto eu era cético. Não aceitava formulações prontas, regras autoritárias, ou paradigmas definidos com base em fé cega. Por duvidar sempre, e querer examinar tudo com um olhar atento, alguns me viam como um descrente, outros até como ‘herege’, aquele que discorda da grande massa, manipulada por conta de sua preguiça de pensar ou reagir. A reflexão havia se tornado meu estado de espírito permanente, o questionar um hábito, e posteriormente uma filosofia de vida. Aprendera com Pirro (360 a.C. – 270 a. C.) e Kierkegaard, (1813-1855) que 'é preciso duvidar de tudo', para que se possa enxergar os vários ângulos de uma mesma questão. Citando Spinoza (1632-1677), “eu falo da dúvida verdadeira no espírito e não daquela que se encontra frequentemente quando, em palavras, diz-se duvidar, ainda que o espírito não duvide. Pois não é o método que pode corrigi-la, mas o estudo da obstinação e de seu tratamento”. Duvidar não apenas por uma questão de querer reduzir a importância daquilo que está sendo apresentado, mas por desejar ampliar a compreensão exigida pela própria alma, e a dimensão ou amplitude daquilo que não se percebe de imediato.

Essa postura questionadora me levou a ser um leitor contumaz, devorando livros como um camelo sedento, com assuntos que iam da filosofia ao romance, da teologia à ciência, da psicologia aos escritos sagrados. Um insaciável por conhecimento, em busca da verdade que liberta e nos torna potencialmente mais próximos daquilo que chamamos de 'imagem e semelhança': a sabedoria. A leitura faz aprender, o aprendizado ajuda a fazer; o fazer leva ao saber, e o saber obriga ensinar. Mesmo consciente de que quase nada se sabe, a compulsão por transferir conhecimento, inconsciente, irresistível e crescente gera no ser humano a postura do professor, filósofo, escritor ou consultor. É a sua bagagem de conhecimento, associada à capacidade de intuição e sensibilidade humana que irá torná-lo apto a recomendar caminhos, sugerir alternativas, complementar visões, ou preparar pessoas; jamais sua ambição ou vaidade.

Por haver iniciado minha vida profissional com apenas nove anos de idade; não por capricho, mas por necessidade, ainda tenro senti na pele o instinto de sobrevivência que me levou ao enorme desejo de aprendizagem, o que me fez aprender logo cedo o quanto é fundamental caminhar juntas, a teoria e prática para o ‘fazer acontecer’ que cria a experiência. Sem isso não existe crescimento saudável. Sem essa base não h sustentação. O dia-a-dia de qualquer empreendimento exige atualização constante de informação em todas as direções, desde o conhecimento técnico às mudanças de comportamento. Implica acima de tudo, numa atitude de humildade de sua liderança, em compreender que nem sempre domina o quadro completo e para tanto, é imprescindível buscar informação e conhecimento complementar. Não há como improvisar quando ação é ao vivo, sem chances de ensaios. Errar pode ser fatal e irreversível à empresa. Todavia, muitos empresários e grandes executivos subestimam esse princípio; Por colocarem-se acima do bem e do mal, arvoram-se como donos absolutos da verdade e devido a essa atitude arrogante põem em risco de maneira involuntária, ou irresponsável, o sacrifício despendido no projeto original, muitas vezes ao longo de anos de trabalho e à custa do desgaste de uma batalhadora equipe.

Friedrich Nietzsche
Neste ponto, quero destacar o título desta matéria, que a figura do Consultor, Coach, ou Mentor, na vida de um empresário ou executivo, pode ser decisivo em momentos cruciais. A visão de fora, complementando informações ou recomendando opções, às vezes até não convencionais, pode fazer diferença, especialmente nos momentos de turbulência. Isso, porém, exige humildade. Impõe abrir mão do egoísmo e da vaidade pessoal, e mais que isso, como ensina Nietzsche, pede uma ‘mente aberta e um espírito livre’ para enxergar a multiplicidade de ângulos para interpretar e compreender um fato ou uma situação qualquer. É decisivo saber que a liberdade de escolha não está comprometida ao inserir essa visão complementar, pelo contrário, ela será ampliada a partir daí. Escutar é algo exclusivo para quem tem sabedoria e não apenas inteligência, ou esperteza.

É lamentável também, a proliferação de ‘pseudo consultores’; o termo na verdade tornou-se banal; seja pelo fato de alguns empresários, que na ânsia por se verem livres de encargos visando reduzir custos, evitam o vínculo empregatício e contratam profissionais sob o título de 'consultores'; seja também por profissionais que por falta de atualização ou vocação perdem seus empregos e acreditam-se capazes de oferecer 'consultoria', terminando por gerar imensa frustração em si mesmos, e naqueles que os contratam. Há também uma leva enorme de jovens que, por ser despreparados, especialmente do ponto de vista emocional, se apresentam como 'consultores', ou aptos para atuar como ‘coaching’, tornando-se potenciais candidatos ao estresse, por não conhecer suficientemente os delicados labirintos da alma humana, tampouco, o complexo e inóspito ambiente empresarial. 
Pedro Grendene


Como dizia meu mentor e amigo Pedro Grendene, ‘o diabo não é diabo, porque é diabo, o diabo é diabo porque é velho’; uma forma divertida de parafrasear o dito popular de que ‘o ser humano não fica velho, ele se torna sábio’. Ou em outras palavras, de que só o tempo consolida e amálgama o ser humano, fundindo informações diferentes ou heterogêneas para formar o todo que chamamos de 'sabedoria', a principal ferramenta de um autêntico Consultor, para alavancar mudanças ou gerar transformações significativas, que sem dúvida poderão ser brilhantemente implementadas se processadas ou conduzidas por jovens com coragem e determinação, porque no operacional é a junção da sabedoria com a energia que produz efeitos memoráveis.


Baruch Spinoza
Ao atuar como Estretegista Empresarial, assessorando empresas de todo tipo, observo perplexo a atitude de tantos empresários, que apesar de contar com magníficas oportunidades para alavancar suas empresas, parecem ignorar tamanho potencial. De maneira incompreensível, preferem seguir repetindo erros do passado, ou trilhando apenas naquilo que lhe é familiar ou conhecido, limitando expressivamente todas as possibilidades de crescimento de seus empreendimentos. Alguns agem assim por medo de perder aquilo que já conquistaram, outros por mera vaidade. No dizer do filósofo Spinoza, “se julgam livres apenas porque são conscientes de suas ações, mas desconhecem as causas pelas quais são determinados”.

Por tudo isso, algumas empresas crescem e tornam-se líderes nos mercados em que atuam, enquanto outras permanecem estacionadas no tempo, 'à espera de um milagre'. Rebocadas pela mesmice ou condescendência, vegetam à margem do progresso e das oportunidades. Há também aquelas que após haverem experimentado sua fase de pioneirismo e sucesso, acomodam-se perigosamente sob louros do passado, sem perceber as alterações no ambiente que as cerca, tornando-as vítimas em potencial da inércia.


A visão de fora complementa a ousadia e idealismo do empreendedor, enriquece o processo decisório, e produz a química que impulsiona a coragem e determinação para gerar as transformações necessárias. Só aqueles que substituem a vaidade pela sabedoria terão alcance para compreender essa verdade. 

__________________________________


*Mauricio A Costa, é Estrategista. Sócio Fundador da SUPPORT BRANDS, empresa de projetos e assessoria para alavancagem de receitas e rentabilidade. Sua experiência internacional está focada em assuntos ligados ao pensamento estratégico voltado à inovação, criação de valor agregado, e fortalecimento de marcas - comercial ou corporativa. Está disponível, sob consulta, para atuar como Membro do Conselho de Empresas de qualquer porte. 

É o idealizador do Projeto Mentor Virtual, organização comprometida com o despertar da consciência humana, a valorização da vida e o apoio à construção da marca pessoal. Suas palestras, seminários e workshop - presenciais, 'in-company', ou por vídeo conferência - estão disponíveis, sob consulta, para associações, universidades, escolas, ou empresas em qualquer região ou país. 


8 comentários:

  1. A sua perspicácia empresarial é bastante evidente.
    E a maneira como vc se expressa é de uma linguagem acessível a todos.
    Adoro a sua humildade e simplicidade na sua maneira de ser.
    Vc é admirável.
    Gostei muito.
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Mauricio,
    Você, sempre tão intenso em seus artigos! Perfeito em cada palavra... 'Consultor, Coach ou Mentor: Só os escutam quem tem sabedoria...'

    E digo - SÓ OS PROCURAM OS QUE TEM SABEDORIA E HUMILDADE.
    Abçs. carinhosos

    ResponderExcluir
  3. Por termos cerebro,entao pensamos,discordamos,aprendemos,cometemos erros,e isto torna um pouco dificil lidar conosco,seres humanos.Mas a duvida,e normal,dai que existem as perguntas.Alguns aconselham:pergunte,esteja sempre perguntando.E atraves das perguntas que aprendemos e acabamos com as duvidas.Vc,com sua brilhante sabedoria,sabera responder e se te escutarem,como vc disse,serao sabios.Faca sempre o melhor,de sempre o melhor de vc em tudo que fizer e seras cada vez melhor.Boa sorte!

    ResponderExcluir
  4. Tenho andado por ai, palestrando pra muitas empresas que já perceberam a importância do "coaching", percebemos ao final de nossas atividades prática que complementam a palestra a alegria de serem respeitados em suas necessidade de crescimento, percebemos o aumento da sensação de pertencimento dos mesmos, quando você sente que faz parte de alguma coisa que quer se tornar cada vez maior, tem muito mais disposição de contribuir, quando percebe que não vai sair do mesmo, se tem sede de vencer com certeza irá se acomodar ou procurar outro espaço. Que bom se todos os empresários percebessem esse grande detalhe!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. George Costajaneiro 16, 2011

    Bem interessante e muito verdadeiro. Penso que sempre podemos aprender pela inteligencia ou pela experiencia, pela dor ou pelo amor. São opções que cabe a cada um de nós. Infelizmente, quase sempre, escolhemos os caminhos mais difíceis. Obrigado pela oportunidade de refletir sobre minhas próprias limitações.

    ResponderExcluir
  6. El reconocer nuestras limitaciones y buscar ayuda en otras personas es un gran paso en el crescimiento,es simbolo de sabedoria interior ,pues nos hace tener humildad y aprender a darnos la mano unos a otros creando asi una gran fortaleza.Gracias por los concejos.

    ResponderExcluir
  7. Concordo praticamente com tudo; na realidade portuguesa, em regra, as coisas passam-se mais ou menos da mesma forma...

    Por vezes é a própria "escola" (do meu ponto de vista demasiadamente tradicional na filosofia e nos métodos) que "educa" para a cópia, para o medo, para o receio, para o "master dixit"...

    Assim sendo, difimente o estudante do presesente e possível empresário do futuro (o futuro é "hoje") vai querer arriscar, ser inovador e empreendedor, ao invés ele tenderá a evitar tudo o que seja "cultura de risco", porque ele foi "formatado" ao longo de anos a fim para fazer o contrário: "repetir" sem questionar o que o "professor" lhe diz e a valorizar apenas a nota final e não o conhecimento e o desenvolvimento de aptidões que essa nota pressupõe...

    Mas, a principal responsabilidade é do docente; se este quiser fazer uma prova de avaliação para a qual não adiante ao estudante "copiar" e "repetir o que ouviu nas aulas ou decorou dos textos de apoio" ele deverá ser capaz de o fazer...

    Só assim os estudantes perceberão que terão de mudar de atitude e "aprender a estudar" de modo que um dia venham a "saber pensar" de forma crítica e criativa... :)

    Joao Luís Gama

    ResponderExcluir
  8. Mauricio, perfeito o seu texto, pela abrangência do assunto, desde o despertar do ser humano, até o empresario que permaneceu
    no circunstancial e por acomodação e falta de concorrência parou e nao pensou em ninguém. A importância do trabalho de consultoria, com essa visão, muitos irão repensar, diante desse universo, a nossa vida precisa cada vez mais evoluir, onde todos com ações positivas, podem gerar retornos agradáveis e motivadores.
    Pedro Rombola

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar aqui as marcas de sua passagem...
Seus comentários serão sempre bem vindos.